Conhecidas como Primavera, Verão, Outono e Inverno estas são as quatro estações presentes na natureza. Elas são as responsáveis pelo planejamento do homem em relação ao plantio e respectiva colheita, à contemplação das flores, a programação de férias, ao usar ou guardar os casacos e os cobertores no armário e mais o que a cada um interessar.

Com a certeza de que elas se repetirão ano após ano o comércio se prepara antecipadamente abastecendo-se de eletrodomésticos, coleções e tendências da moda, bem como a agricultura se renova produzindo frutas, verduras e legumes contando com as chuvas que muitas vezes pregam peça tardando a aparecer em razão da própria ação do homem. Mas isso é um assunto que merece um artigo específico.

O ser humano, integrante dessa Natureza a qual incide as quatro estações, também vive mudanças só que não da mesma forma que a Natureza.

Quando o ser humano nasce, chega com ele a Primavera, e esta será comemorada todos os anos, no mesmo dia do mesmo mês, não importando qual seja o dia da semana. A primeira Primavera fará com que os familiares, amigos e conhecidos venham apreciar, com seu olhar curioso e cheio de carinho, o novo ser que acaba de desabrochar.

Mas logo a Primavera se vai dando espaço ao Verão que permanecerá ativo durante toda a caminhada. Esta é a estação mais longa na existência de cada um de nós.

Nos primeiros meses emitirá raios, que nesse caso serão sonoros, estabelecendo a comunicação entre bebê e mãe avisando que este está com fome, que melecou a fralda, que não quer ficar sozinho, que quer colinho e tantos muitos outros recados.

O Verão iluminará a vontade de sentar, de engatinhar, de andar, de correr, de saltar, de…

Também aquecerá o abraço, o beijo, o carinho, bem como a palavra, a frase, o riso, o choro…

O verão estará presente durante toda a vida.

Haverá momentos em que o Outono chegará fazendo cair os dentes, indicando que a criança está crescendo, mas em seguida, novamente, dará espaço ao Sol do Verão que chegará aquecendo os hormônios sugerindo que a adolescência chegou.

Haverá verões muito quentes. Também haverá verões mais amenos, mas sempre haverá verões.

Mesmo quando o Inverno chegar cobrindo com sua neve silenciosa cada fio de cabelo, consumindo aos poucos o caminhar ligeiro transformando-o em lento e cuidadoso. Quando a vista deixar de avistar e a coluna não mais se conservar tão ereta, ainda assim haverá Verão.

O Verão só deixará de existir quando o existir em nada mais estiver.


Colunista: Cybele Meyer

  • Cybele Meyer
    Cybele Meyer
    Colunista
Cybele Meyer
Colunista

Palestrante Educacional
Cybele Meyer está na área da Educação há mais de 30 anos. Atuou como professora, coordenadora e diretora na Educação Básica e Ensino Médio.
Ministrou aulas para turmas da Pedagogia e Gestão do Trabalho Pedagógico.

Formadora de professores por mais de 5 anos pela Microsoft Educação e Instituto Paramitas.

Integrou o Programa UCA do Governo Federal e Ministério da Educação em parceria com a USP nos estados do AP, MS e SP.

Hoje ministra Palestras pelo Brasil com os temas:

* Valor de ser professor – 3 Passos para se sentir valorizado na sua profissão;

* Encantador de alunos – 5 Maneiras de agir diferente e fazer a diferença;

* Um por todos e todos por um – 5 Dicas para fortalecer a parceria Família+Escola+Aluno

* Inteligências na Prática Educativa – Mude o foco e acerte o alvo.
Autora de três livros: 2 destinados ao público infantil “Menina Flor e Pedolândia” e o outro aos profissionais da educação bem como pais e cuidadores intitulado Inteligências na Prática Educadora Autora de 2 e-books sendo que o primeiro tem perto de 350 mil downloads: O Diário de Juliana
Fez Direito como primeira graduação e após 10 anos, encantou-se pela Educação trocando o Fórum pela sala de aula. Graduada também em Artes Plásticas, e Pedagogia.

Pós-Graduada em Psicopedagogia Clínica e Institucional, Docência do Ensino Superior. Especialista em Docência e Tutoria em Ead e Gestão do Trabalho Pedagógico.

Editora do blog Educa Já! há 8 anos e conta com mais de 80 milhões de visitas.

Clique aqui para acessar todos os textos da colunista
Blog
Site
E-mail


Compartilhar
Artigo anteriorArapucas
Próximo artigoDe onde vem a inspiração?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here