Quer mudar a forma como você aprende? Confira nossas dicas.

1

melhore a forma como você aprende - infográfico Quer mudar a forma como você aprende? Confira nossas dicas. Infogr  fico ED01

 

Seis coisas importantes que você precisa saber sobre como o seu cérebro aprende.

Se você quer aprender uma nova língua, aprender a cozinhar, tocar um instrumento musical, ou apenas saber mais sobre os livros que você lê, é bacana saber como o cérebro lida com as novas informações.

Embora todo mundo aprenda de um jeito diferente, nós temos semelhanças na maneira como nosso cérebro recebe novas informações. Sabendo como isso funciona, isso pode nos ajudar a escolher as estratégias mais eficientes para aprender coisas novas.

1. Informações visuais tem um efeito muito melhor do que as faladas.

O cérebro usa 50% dos seus recursos na visão. Pense nisso por um minuto. Metade do poder de seu cérebro é utilizado para processar o que seus olhos veem e que será transformado em informação. A outra metade é dividida entre todas as outras funções de seu corpo.

Outra descoberta surpreendente sobre a visão, é que nós interpretamos textos como imagens. Enquanto você lê este parágrafo, o seu cérebro está interpretando cada letra como uma imagem. Isto torna a leitura incrivelmente ineficiente quando comparada à rapidez e facilidade com que podemos interpretar a informação a partir de uma imagem.

Então, imagens e animações são seus melhores amigos quando se trata de aprendizagem!

Ação: Utilizar cartões contendo imagens com as ideias chave do conceito a ser aprendido. Use cores e diagramas para ilustrar novas informações que você aprende.

2. Nós lembramos o quadro geral melhor do que os detalhes.

Quando você está aprendendo conceitos novos, é fácil perder-se na quantidade de informações. Uma maneira de evitar ser “atropelado” por elas, é focar no quadro geral. Este é provavelmente o lugar onde você vai começar com algo novo. Portanto, compreender e diagramar como este novo conceito aprendido se encaixará nesse grande quadro geral, poderá ser bastante útil. Em suma, nossos cérebros tendem a agarrar a essência do que estamos aprendendo melhor do que os detalhes.

Ação: Mantenha um diagrama ou página de anotações bem atraente, de tal forma que explique o “grande retrato” do que você está aprendendo e que lhe permita adicionar cada conceito importante, gradativamente, conforme você vai aprendendo ao longo do caminho. 

3. Dormir afeta a aprendizagem e a memória.

Estudos demonstraram que uma noite bem dormida, entre o aprendizado de novos conceitos e a avaliação, pode melhorar significativamente a performance.

Um estudo da Universidade da Califórnia descobriu que os participantes que dormiram após completar a primeira etapa de uma tarefa desafiadora, obtiveram um desempenho melhor quando continuaram essa tarefa mais tarde. Por outro lado, os participantes que não tiraram uma soneca entre as etapas ficaram abaixo dos resultados de seus colegas que optaram pelo descanso.

Segundo Dr Matthew Walker, da Universidade da Califórnia, o sono prepara o cérebro como uma esponja seca, pronta para absorver novas informações.

Ação: Tente praticar sua nova habilidade ou ler sobre ela antes de ir dormir ou tirar uma soneca breve. Ao acordar, escreva algumas notas sobre o que você se lembra de sua última sessão de estudo.

4. A privação de sono reduz significativamente a sua capacidade de aprender coisas novas.

Embora não possamos concluir com 100% de precisão o que o sono faz por nós, sabemos o que acontece se não dormimos o suficiente.  A privação do sono diminui nossa capacidade criativa, fazendo com que evitemos nos arriscar, usando nossos velhos hábitos como referência e não as coisas novas que poderíamos aprender. Fisicamente, diminui nossos reflexos, uma vez que nossos corpos não tem o mesmo rendimento quando estamos cansados.

O mais importante para a aprendizagem: a privação do sono pode reduzir a capacidade de seu cérebro ao receber novas informações em quase 40%! Uma boa noite de sono proporciona um acordar revigorado e disposição para aprender.

Um estudo da Harvard Medical School concluiu que as primeiras 30 horas posteriores ao aprendizado são críticas, e a privação de sono durante este tempo pode diminuir consideravelmente os benefícios da aprendizagem.

Ação: Não passe as noites acordado! Prepare-se para os momentos de estudo quando você estiver alerta e bem descansado. E, definitivamente, evite a privação de sono logo após aprender algo novo.

5. Aprendemos melhor quando ensinamos.

Quando ensinamos a outras pessoas o que estamos aprendendo, internalizamos as informações de maneira eficaz. Somos obrigados a organizar nossas mentes ao ensinar, e com isso lembramos ainda mais das partes importantes que aprendemos.

No estudo com um grupo de pessoas, os pesquisadores disseram à metade do grupo que seriam testados sobre assuntos que estavam aprendendo, e disse à outra metade que eles teriam que ensinar a alguém o que havia sido aprendido. Ambos os grupos foram submetidos ao mesmo teste e na verdade não teriam que ensinar nada a ninguém. Os resultados com aqueles que tinham a premissa de ensinar foram consideravelmente melhores que os demais.

Ao nos concentrarmos nos pontos mais importantes do assunto a ser aprendido, as relações entre os diferentes conceitos são organizadas em nossas mentes de forma mais cuidadosa, no intuito de que nos façamos entender.

Ação: Que tal ensinar e aprender ao mesmo tempo?  Crie um caderno ou blog onde você escreve sobre aquilo que aprendeu. Escreva sobre cada novo conceito que você absorveu como se fosse uma lição para os outros.

6. Aprendemos melhor quando as informações são intercaladas

O pesquisador da UCLA, Dick Schmidt defende uma abordagem diferente para a aprendizagem, que ele descreve como “intercalação”, em que o novo se mistura as informações ou habilidades que você pratica. Por exemplo, que tal estudar história, jogar tênis (que você domina, pois treina) e voltar para estudar história depois?

Outro pesquisador da mesma Universidade, Bob Bjork, também estuda a intercalação em seu laboratório de psicologia. Ele acredita que a intercalação funciona bem pois joga vale-se de nossas habilidades naturais para reconhecer padrões e valores discrepantes. Quando aplicada ao mundo real ela também oferece uma oportunidade para revermos as informações regularmente, à medida que intercalamos o que já sabemos com novas informações.

Ação: Quando você está aprendendo ou praticando uma nova técnica, pratique-a intercalando-a a outras técnicas. Se você está aprendendo novas informações, intercale ou misture com informações que você já sabe – podem ser palavras que já sabe do vocabulário e a nova quando você está aprendendo em uma língua estrangeira, por exemplo.

Segundo Bob Bjork todos nós precisamos nos tornar aprendizes eficazes, pois em quase todo trabalho você terá que gerenciar algum tipo de tecnologia nova. Desta forma, sabendo como gerir nossa própria aprendizagem, podemos obter resultados ainda melhores.

Fonte: The Next Web

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here