Sabe aquela vontade de transbordar amor, querer abraçar todas as coisas, distribuir sorrisos, mudar o mundo e cuidar de quem não conhece? Aquela sensação de que você pode fazer algo para deixar o mundo melhor? É exatamente isso que faz a gente querer ser voluntário.
Ser voluntário é despertar para a vida. É quando a gente sai do próprio casulo e sente vontade de cuidar do casulo dos outros para que ninguém os machuque.

“…Junto com o trabalho voluntário vem o aprendizado, as pessoas que encontramos pelo caminho tem muito a ensinar, e é incrível como elas colorem e preenchem a vida de quem está disposto a aprender também…”

É quando a gente para de olhar o próprio umbigo e passa a enxergar que a vida é muito maior do que a imaginamos. É bom saber que podemos fazer algo. Que temos a capacidade de lidar melhor com a própria dor ao cuidar da dor do outro. Que somos capazes de oferecer amor mesmo fora do nosso círculo limitado de convivência e abraçar uma causa, uma pessoa, um ideal.

O voluntariado é uma experiência única e ninguém sai de uma ação voluntária da mesma forma com que entrou. Tocar o mundo do outro, nos ensina diversas coisas e faz com que possamos compreender melhor as situações, as atitudes e passamos até a questionar as nossas escolhas e modos de vida. Ser voluntário é experimentar a vida na sua mais pura forma: servindo ao outro. Servir é o grande lema!

Junto com o trabalho voluntário vem o aprendizado, as pessoas que encontramos pelo caminho tem muito a ensinar, e é incrível como elas colorem e preenchem a vida de quem está disposto a aprender também. Além disso, vem também o amadurecimento pessoal e a lapidação da personalidade. A gente nunca é o mesmo após lidar com o sofrimento e com a dor, e o voluntário se expõe espontaneamente à situações que muitos fogem ou fecham os olhos para fingir que não existem, pois causam incômodo e mal estar na maioria das pessoas. É ter disposição para trabalhar com isso e lutar para transformar os sentimentos dentro de si mesmo.

Ser voluntário é isso: é levar amor onde está repleto de ódio. Ter coragem onde há medo. Dar esperança e alegria a quem está desacreditado e triste. Levar luz onde não se enxerga nada, tamanha a escuridão. É trabalhar com opostos, fazendo prevalecer sempre o lado melhor.

Não é preciso ser perfeito pra ser voluntário. Basta ter vontade, amor no coração e responsabilidade. Também não é preciso fazer parte de um projeto, ONG ou algo do tipo. Pela vida, encontramos todos os dias inúmeras oportunidades de oferecer o que a gente tem de melhor ao próximo: o nosso coração. E, igualmente, temos inúmeras oportunidades de cuidar do que o outro tem de mais sensível: o coração.

Vamos lá?

Luciana Quer fazer a diferença no mundo? Quer fazer a diferença no mundo? ana
Autora da Matéria | Colaboradora
Ana Carolina B. Valente
Fisioterapeuta
Aluna de mestrado pelo Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da USP de Bauru e voluntária do Projeto Social Vagalumes de Ribeirão Preto há 7 anos.FanPage do Projeto Social Vagalumes RP: facebook.com/vagalumesrp
Quer fazer a diferença no mundo? Quer fazer a diferença no mundo? email

SEJA UM COLUNISTA
SEJA UM COLABORADOR
CONHEÇA NOSSO TIME

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here