Para ingressar em uma segunda graduação em instituições de ensino privada, o aluno não precisa realizar o vestibular ou o ENEM.  Ele entra como portador de diploma. Alguns dos benefícios são:

-Aproveitamento de estudos: as disciplinas idênticas ou parecidas* cursadas na primeira graduação poderão ser aproveitadas para eliminar na segunda. Exemplo: se um aluno já cursou a disciplina de “Metodologia da Pesquisa Científica” na primeira graduação e na grade da segunda graduação também possui essa mesma disciplina, ele não precisará cursar e rever todo o conteúdo novamente. Automaticamente estará aprovado.

*Para disciplinas parecidas: o nome da disciplina não precisa ser exatamente o mesmo para solicitar a dispensa, geralmente precisa ter no mínimo 80% da ementa curricular compatível, ou seja, os conteúdos abordados devem ser próximos. Exemplo: “Comunicação e Expressão” é similar com “Português Instrumental”.

Obs: algumas instituições de ensino tradicionais são mais rígidas para utilizar esse aproveitamento.

-Menor tempo de duração: devido ao aproveitamento de estudos, se o aluno optar por cursos próximos ou complementares, reduzirá o tempo de duração da segunda graduação. Exemplo: alguém formado em “Análise e Desenvolvimento de Sistemas” (Tecnólogo de 2,5 anos) resolve cursar “Sistemas de Informação” (Bacharel de 4,0 anos) poderá aproveitar aproximadamente 1,5 a 2 anos do tecnólogo, dependendo da compatibilidade da ementa entre os cursos;

-Desconto: normalmente as instituições de ensino oferecem descontos de 10% até 50%, não cumulativas, na mensalidade para alunos oriundos da mesma instituição ou de outras.

-Diferencial competitivo: o mercado de trabalho está exigindo profissionais cada vez mais qualificados e concluir uma segunda graduação pode contribuir para ascensão da carreira. A busca constante por atualização e complementação dos estudos é fundamental no mundo moderno, em especial o ramo tecnológico;

-Oportunidade para mudança de profissão: alguns alunos se arrependem da sua formação inicial, entretanto, cursar uma segunda graduação ajuda na reinserção profissional, pois novas oportunidades de emprego serão ofertadas. Exemplo: alguém formado em “Redes de Computadores”, mas que se interessou mais em programação pode cursar “Análise e Desenvolvimento de Sistemas”, focando a aprendizagem em linguagens e técnicas de programação.

-Complemento profissional: normalmente os profissionais de vendas de software são graduados em cursos não relacionados propriamente a tecnologia. Logo, para suprir as carências técnicas dos produtos em questão, eles poderão se formar em algum curso de tecnologia, melhorando sua propriedade na abordagem, especificação e venda.

Portanto, para alguém que está pensando em retomar os estudos, uma segunda graduação é uma ótima oportunidade para recomeçar, buscar novos ares, aperfeiçoando habilidades, capacidades, competências e conhecimento.

Ellen Cristina Masalskas segunda graduação Você já pensou em cursar uma segunda graduação? leandro
Autor da Matéria | Colaborador
Leandro Akira Nakamura
Educação e Tecnologia
Leandro Akira Nakamura é Tecnólogo em Informática para a Gestão de Negócios pela FATEC e Especialista em Docência no Ensino Superior e em Tecnologias em Educação à Distância pela UNICID. Atualmente trabalha como Analista de TI e Professor, mas também tem experiência como Analista ServiceDesk, Analista Programador e Assistente de Coordenação. Em breve será publicado seu primeiro livro infantil pela editora FiloCzar.
segunda graduação Você já pensou em cursar uma segunda graduação? email
segunda graduação Você já pensou em cursar uma segunda graduação? face
segunda graduação Você já pensou em cursar uma segunda graduação? linkedin

SEJA UM COLUNISTA
SEJA UM COLABORADOR
CONHEÇA NOSSO TIME


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here