Você dorme sempre que sente sono? Você acorda sozinho ou com o despertador? Você dorme durante o dia? Acorda e dorme cedo ou tarde? Quantas horas de sono você tem?

Essas são algumas das perguntas mais frequentes quando o assunto é dormir.

Embora esse seja um assunto comum não é dada a devida importância ao sono e ao dormir.

Reflita comigo: quando sentimos sede, bebemos; quando sentimos fome, comemos; quando sentimos frio, nos agasalhamos e quando sentimos sono, se não é o horário que estipulamos para dormir, não lhe damos atenção. Muitas vezes lutamos, incessantemente, para driblá-lo e ficarmos acordados nas mais diferentes situações.

Esse comportamento é cada vez mais comum em razão da rotina atribulada e da quantidade de estímulos audiovisuais a que somos expostos dentro e fora de casa. Crianças, adolescentes e adultos não respeitam seu relógio biológico e com isso as horas de sono estão cada vez mais curtas.

A criança pequena muitas vezes sente sono em horários diversos, mas como depende dos pais, e estes, em razão dos inúmeros compromissos, acabam comprometendo as horas de descanso do filho(a).

Não dormir o suficiente pode causar mal-estar fazendo com que a criança se sinta irritada, desatenta, com baixo ritmo interno refletindo diretamente no desenvolvimento das atividades originando um baixo rendimento escolar.

Já o adolescente, em sua maioria, se anima na madrugada tendo dificuldade para acordar cedo no dia seguinte. Em razão da noite mal dormida passa o dia inteiro sonolento, mas quando chega a noite o ânimo o envolve e lá está ele acordado de madrugada novamente. A ida à escola acaba se tornando uma batalha, pois não escuta o despertador, não consegue acordar e levantar, sente-se mole, sem ânimo perdendo, com habitualidade, a primeira aula vindo a interferir negativamente no seu desempenho. Muitas vezes o sono durante a aula é incontrolável sendo preciso usar artifícios como: lavar o rosto com água fria, tomar água, mascar chicletes, ficar se movimentando na carteira o tempo todo.

Não é só o mau hábito que interfere no dormir e na qualidade do sono, o relógio biológico de cada um marca seu próprio horário. Há os que precisam dormir 8 horas enquanto outros têm que dormir 12 horas caso contrário ficará mal-humorado, sem ânimo e sonolento. Outros dormem 5 horas e já estão prontos e animados para o novo dia.

Há aqueles, que já deixaram a adolescência faz tempo, que durante o dia se sentem desanimados, sonolentos e tão logo anoitece se sentem dispostos e animados. São os chamados notívagos que só conseguem desenvolver seu trabalho, se inspirar para compor, escrever, criar, durante a madrugada.

Não faz muito tempo as cidades dormiam após as 22 horas. Não via ninguém andando pela rua seja a pé ou de carro. Estavam todos em casa e dormindo, pois eram poucas as janelas encontradas acesas.

Hoje já temos vida diurna e noturna. Há aqueles que por se sentirem mais dispostos durante a noite, os notívagos, trabalham nesse horário, e as opções são muitas: os supermercados ficam abertos 24 horas, farmácias, cafés, lojas de conveniência, lanchonetes, pizzarias, e mais uma infinidade de opções e atividades.

Para os estudantes que não conseguem ajustar seu relógio biológico com as atividades a serem desempenhadas aqui vão algumas dicas:

– Estipule um horário para dormir e cumpra o horário todos os dias;

– Deixe o quarto completamente escuro. Deixar a TV ligada ou mesmo um feixe de luz pode dificultar a chegada do sono;

– Evite ficar no celular ou nas Redes Sociais quando já estiver deitado para dormir;

– Ler um bom livro quando estiver na cama é relaxante e ajuda a dormir.

– Tomar chá morno também ajuda a relaxar

Bons sonhos!


Matéria por: Cybele Meyer

  • Cybele Meyer
    Cybele Meyer
    Colunista
Cybele Meyer
Colunista

Palestrante Educacional
Cybele Meyer está na área da Educação há mais de 30 anos. Atuou como professora, coordenadora e diretora na Educação Básica e Ensino Médio.
Ministrou aulas para turmas da Pedagogia e Gestão do Trabalho Pedagógico.

Formadora de professores por mais de 5 anos pela Microsoft Educação e Instituto Paramitas.

Integrou o Programa UCA do Governo Federal e Ministério da Educação em parceria com a USP nos estados do AP, MS e SP.

Hoje ministra Palestras pelo Brasil com os temas:

* Valor de ser professor – 3 Passos para se sentir valorizado na sua profissão;

* Encantador de alunos – 5 Maneiras de agir diferente e fazer a diferença;

* Um por todos e todos por um – 5 Dicas para fortalecer a parceria Família+Escola+Aluno

* Inteligências na Prática Educativa – Mude o foco e acerte o alvo.
Autora de três livros: 2 destinados ao público infantil “Menina Flor e Pedolândia” e o outro aos profissionais da educação bem como pais e cuidadores intitulado Inteligências na Prática Educadora Autora de 2 e-books sendo que o primeiro tem perto de 350 mil downloads: O Diário de Juliana
Fez Direito como primeira graduação e após 10 anos, encantou-se pela Educação trocando o Fórum pela sala de aula. Graduada também em Artes Plásticas, e Pedagogia.

Pós-Graduada em Psicopedagogia Clínica e Institucional, Docência do Ensino Superior. Especialista em Docência e Tutoria em Ead e Gestão do Trabalho Pedagógico.

Editora do blog Educa Já! há 8 anos e conta com mais de 80 milhões de visitas.

Clique aqui para acessar todos os textos da colunista
Blog
Site
E-mail


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here