Quando somos crianças acreditamos que, assim que nos tornarmos adultos, nós poderemos realizar tudo aquilo que desejamos… Um grande leque de oportunidades se abre à nossa frente, proporcionando as maiores expectativas possíveis e imagináveis. Então, nos tornamos médicos, cientistas, astronautas e aventureiros, permitindo-se sonhar e acreditar que somos capazes de transformar o mundo, mudar a vida de uma pessoa, participar de mudanças sociais, enfim, podemos fazer qualquer coisa, bastando apenas ter fé e confiança em nossos desejos.

Mas quando finalmente alcançamos essa tão almejada fase da vida, parece que os horizontes se fecham e nos aprisionamos em nossas próprias limitações. Alguém me disse certa vez que “dentro da realidade, não existe muito espaço para a fantasia”, a bem da verdade o mundo essencialmente capitalista no qual vivemos, exige que sejamos extremamente realistas e exatos para que, assim, jamais fujamos de nosso objetivo primordial que seria “elevar o capital“, ou como é mais conhecido popularmente “ganhar dinheiro“.

A partir daí, esquecemo-nos de nossas fantasias, sonhos e desejos. Somos mais uma peça da engrenagem! Nossos atos se tornam mecânicos e repetitivos. A vida se resume a trabalhar, ganhar dinheiro e pagar as contas. Tornamo-nos estressados, impacientes, obsessivos, engordamos ou emagrecemos em virtude da ansiedade. Não encontramos mais tempo para observar um luar bonito.

Há quanto tempo você, sequer, olha para as estrelas?

Há alguns anos a principal distração das pessoas, à noite, era olhar as constelações e a lua após um dia árduo de trabalho no campo.

O que você faz quando chega do trabalho?

Senta-se em frente ao computador e continua a tarefa do escritório? Quem sabe em frente à televisão? Oferece um pouco de atenção ao seu filho, marido ou esposa? Sabia que as lembranças mais intensas das pessoas se resumem, em sua maioria, quando passaram algum tempo com seus pais na infância? A lembrança mais forte que tenho, por exemplo, era de quando sentávamos (meus irmãos e eu) ao redor de meu pai e minha mãe, à noite, e eles contavam as estórias mais fantásticas para nós. Há quanto tempo você não conta uma estória para seu filho? Se estiver muito cansado não precisa necessariamente “ler”, seja criativo: invente, se entusiasme, fantasie e brinque com as palavras. Algumas vezes nos encontramos tão presos em nosso mundo de preocupações que, não dispomos de um pequeno momento para perceber as coisas simples e valiosas que temos.

A verdade é que a vida transcorre muito depressa, em um abrir e fechar de olhos você passa da infância à velhice. O tempo, de tão rápido, algumas vezes não nos permite fazer tudo que almejamos, e as mudanças não ocorrem repentinamente. O amanhã depende de você! Comece hoje mesmo a realizar uma transformação em si mesmo e na vida das pessoas ao seu redor. Não permita que coisas pequenas abalem seu bem-estar. Deixe as preocupações do trabalho, do lado de fora de sua casa. Mais do que olhar, VEJA a sua família. Brinque com seus filhos. Converse com seus pais. Apaixone-se pela sua esposa ou pelo seu marido. Fale, sinta e repita que os ama. Não se esqueça de que eles são o que existe de mais precioso em sua vida, não espere perdê-los para valorizá-los.

O futuro de nossas crianças é o resultado do que construímos no presente. Já dizia Victor Hugo: “O futuro tem muitos nomes, para os fracos é o inatingível; para os medrosos, o desconhecido e para os valentes é a oportunidade”. Construa um país de oportunidades para seu filho. Ofereça um ambiente mais saudável para seus descendentes. Plante a semente da paz dentro de seu lar e no seu cotidiano. Aprenda com seus erros e com os erros de seus semelhantes. Lembre-se que todos têm uma história de vida, portanto, demonstre respeito pelas pessoas e passe isso adiante. Estamos nesse mundo para exercer uma missão. Não apenas passe por esta vida, mas deixe algo de bom e apreciável aqui. Faça a diferença em seu meio social e, consequentemente, conseguirá transformar toda uma sociedade, nem que seja em longo prazo. Não aceite que esse desejo se torne uma utopia dentro da realidade. O ser humano pode fazer tudo àquilo em que acredita poder fazer.

Não admita que seu legado se traduza apenas em notas e patrimônios. Eduque seu filho da melhor maneira possível, lhe dê carinho, afeto e atenção, mas também o corrija, diga “não” e lhe mostre o caminho certo a seguir. Muito mais do que ensinar, seja um exemplo vivo. Pratique a solidariedade e ele a praticará. Acredito que essa seja, talvez, a melhor maneira de oferecer o conhecimento. Você é o herói de seu filho, faça jus a esse título. Participe dessa metamorfose social, cumpra sua missão e permita que seus descendentes desfrutem de uma sociedade mais justa, pacífica e solidária.

Ellen Cristina Masalskas heranÇa social: o que você vai deixar para seu filho? HERANÇA SOCIAL: O que você vai deixar para seu filho? taniab
Autora da Matéria | Colaboradora
Tania Menegusse de Britis
Área de Atuação: Educação
Tania Menegusse de Britis é Licenciada em Séries Iniciais do Ensino Fundamental, além de possuir MBA em Gestão Educacional e Especialização em Informática Educativa., pelo Instituto Federal de Educação do Espírito Santo.
Atua na área da educação há 9 anos, como Professora, também tutora EaD e Assessora de Projetos.
Atualmente, além de lecionar, também é Assessora Educacional, com foco em Tecnologia.
Autora de diversas crônicas, sobre temáticas que norteiam as filosofias de vida de maneira bem abrangente, acredita que a leitura e a escrita devem ser aliadas, no processo de ensino e aprendizagem, juntamente com a tecnologia que, por sua vez, tornou-se um instrumento predominante no meio social.

Site/Blog pessoal: http://sacdv.blogspot.com.br/
heranÇa social: o que você vai deixar para seu filho? HERANÇA SOCIAL: O que você vai deixar para seu filho? email
heranÇa social: o que você vai deixar para seu filho? HERANÇA SOCIAL: O que você vai deixar para seu filho? face

SEJA UM COLUNISTA
SEJA UM COLABORADOR
CONHEÇA NOSSO TIME


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here