Ilustração por: Cordeiro de Sá

É inequívoco que o mundo e a sociedade estão em constante transformação e que esta transformação é qualitativamente diferente de todas as que a antecederam na história da Humanidade. É incontestável que esta transformação ocorre frente a um volume cada vez maior de informação e geração de conhecimento e em uma velocidade exponencial.

Contudo, a qualidade do mundo em que vivemos não depende, simplesmente, de que ocorram transformações e nem, tampouco, que, meramente, nos adaptemos a elas; depende da direção e sentido que atuam como forças motrizes desta transformação que deve basear-se em princípios e valores nobres e sólidos capazes de vencer as características caóticas de um sistema onde todas as variáveis mudam ao mesmo tempo.

A força motriz capaz de gerar uma direção e sentidos nobres que permitam transformar o mundo qualitativamente é a Educação.

Educação e Comunicação são elos indissociáveis na cadeia de valor que permite a construção do senso crítico, da evolução das atitudes e, do consequente, redesenho da sociedade em que vivemos.

Precisamos estar envolvidos com parceiros que sejam apaixonados pela construção do mundo através da sua transformação consciente. Uma transformação sinérgica que permita a inovação, não como busca do novo pelo novo, mas, como evolução sobre o melhor já produzido pela espécie humana ao longo destes milênios.

A educação não é algo que possa ser delegado ou responsabilidade única de um setor ou segmento da sociedade, trata-se de uma construção coletiva que envolve discernimento, nobreza de propósitos, conteúdos relevantes em formas cativantes, métodos, processos e gestão.

Mais do que nunca, é indsipensável uma nova experiência em educação, não a experiência da tentativa pura e simples, não a experiência da vivência e bagagem já acumuladas no inventário teórico/conceitual do estado da arte da pedagogia e da andragogia, mas uma experiência enquanto vivência de um contato transformador para instituições, educadores, educandos, familiares e toda a sociedade. A célula fundamental para produzir esta convergência é a escola em sua ampla e irrestrita conexão com toda a sociedade.

Faz-se necessário encontrarmos o elo perdido da Educação, o elo que permite que possamos evoluir juntos, pensando além, ampliando horizontes e encontrando soluções amplas, completas e integradas que possam resgatar toda a magia de ensinar e aprender, aprender a ensinar e ensinar a aprender.

Este elo perdido parte do ser humano e a ele retorna, fechando um ciclo virtuoso de excelência. Para resgatá-lo não podemos aprisionar o pensamento em disciplinas isoladas, gabinetes e pontos de vista. Faz-se necessária uma reflexão coletiva entre todos os atores sociais, de forma aberta, colaborativa e inspiradora.

A vida é a arte do encontro e a educação o saldo de encontros valorosos onde a sabedoria é mais eloquente que o mero estoque de conhecimento.

Estamos juntos neste caminho!


Colunista: Carlos Hilsdorf

  • Carlos Hilsdorf
    Carlos Hilsdorf
    Colunista
Carlos Hilsdorf
Colunista

Escreve sobre Comportamento e Negócios. Alguns temas: Motivação, Liderança, Administração, Marketing, Vendas, Inovação, etc.

É economista, pós graduado em Marketing pela FGV, consultor de empresas e profundo pesquisador do Comportamento Humano.

Autor dos bestsellers “Atitudes Vencedoras”, ” Atitudes Empreendedoras”, “51 Atitudes para Vencer na Vida e na Carreira” e “Revolucione seus Negócios”.

Considerado pelo mercado empresarial um dos 10 melhores palestrantes do Brasil na atualidade.

Clique aqui para acessar todos os textos do colunista
Site


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here