1

Por que a liberdade salva o amor? O que acontece com o amor quando ele é submetido à pressão autoritária do parceiro (a)? Como identificar que somos vítimas de alguém que age “em nome do amor” sem reconhecer o quanto ele é doentio? Quando é sensato identificar se estamos aprisionando ou deixando livre?
Conta uma lenda dos índios Sioux que, uma vez, Touro Bravo, o mais valente e honrado de todos os jovens guerreiros, e Nuvem Azul, a filha do cacique, uma das mais formosas mulheres da tribo, chegaram de mãos dadas, até a tenda do velho feiticeiro da tribo.
– Nós nos amamos… E vamos nos casar, disse o jovem.
E nos amamos tanto que queremos um feitiço, um conselho, ou um talismã. Alguma coisa que nos garanta que poderemos ficar sempre juntos. Há algo que possamos fazer?
E o velho emocionado ao vê-los, tão jovens, tão apaixonados e tão ansiosos por uma palavra, disse:
– Tem uma coisa a ser feita, mas é uma tarefa muito difícil e sacrificada… Tu, Nuvem Azul, deves escalar o monte ao norte dessa aldeia, e apenas com uma rede e tuas mãos, deves caçar o falcão mais vigoroso do monte e trazê-lo aqui com vida, até o terceiro dia depois da lua cheia.
– E tu, Touro Bravo, continuou o feiticeiro, deves escalar a montanha do trono, e lá em cima, encontrarás a mais brava de todas as águias, e somente com as tuas mãos e uma rede, deverás apanhá-la trazendo-a para mim, viva!
Os jovens abraçaram-se com ternura, e logo partiram para cumprir a missão recomendada… No dia estabelecido, à frente da tenda do feiticeiro, os dois esperavam com as aves dentro de um saco.
O velho pediu que com cuidado as tirassem dos sacos e viu que eram verdadeiramente formosos exemplares…
– E agora o que faremos?
Perguntou o jovem! As matamos e depois bebemos a honra de seu sangue?
– Não! Disse o feiticeiro…
-Apanhem as aves e amarrem-nas entre si pelas patas com essas fitas de couro… Quando tiverem amarradas, soltem-nas, para que voem livres.
O guerreiro e a jovem fizeram o que lhes foi ordenado, e soltaram os pássaros… A águia e o falcão tentaram voar, mas apenas conseguiram saltar pelo terreno. Minutos depois, irritadas pela incapacidade do voo, as aves arremessavam-se entre si, bicando-se até se machucar.
E o velho disse:
– Jamais esqueçam o que estão vendo! Este é o meu conselho.
Vocês são como a águia e o falcão. Se estiver amarrado um ao outro, ainda que por amor, não só viverão arrastando-se, como também, cedo ou tarde, começarão a machucar-se um ao outro. Se quiserem que o amor entre vocês perdure…
“Voem Juntos… mas jamais amarrados”.
A liberdade de abrir caminho para contemplar a missão da nossa alma deve ser respeitada. Devemos evitar distrações que ofuscam nossos passos. O amor pode ser uma desculpa e uma fuga. É preciso saber que ele pode ser uma armadilha capaz de provocar pequenas desculpas que impedem a pessoa de fazer o que é necessário.
O amor deve ser uma força impulsionadora e jamais uma força opressora. Fique atento ao tipo de amor que você diz sentir e, preste atenção no como você o transforma em comportamento, atitude e desculpa de vida.
– Poderá o amor ser um pretexto para esquecermos de nós?
– Poderá o amor ser responsável pela opressão que provocamos em quem amamos?
– Será que por amor tudo pode, até sufocar quem dizemos amar?
Pensem nisso e, viva a liberdade!

www.irleiwiesel.com.br
Meu canal no youtube: Irlei Wiesel
FanPage: Irlei Hammes Wiesel Palestrante


  • Irlei Wiesel
    Irlei Wiesel
    Colunista
Irlei Wiesel
Colunista

1

Graduada em Pedagogia. Pós-graduada em Psicopedagogia.
Irlei Wiesel é Coaching Personal & Professional, Escritora, Conferencista, Empresária no segmento do Agronegócio e Educação Corporativa.
Graduada em Pedagogia. Pós-graduada em Psicopedagogia.

Atuou por 14 anos como Educadora do Ensino Fundamental. Nomeada para Casa Civil junto ao Palácio do Governo do Estado do RS para desenvolver projetos educacionais às prefeituras do estado.
Atuou por 6 anos na 8ª Delegacia de Ensino.
Psicoterapeuta com especialização em Hipnose, treinada pelos Drs Jeffrey Zeig e Stephen Gilligan.
Formada em Renascimento com o criador da Técnica o Americano Leonard Orr.
Master Practitioner em Programação Neurolingüística.
Practitioner em Terapia da Linha do Tempo.
Membro da Time Line Therapy com sede no Hawaii-USA.
Diretora do Grupo Wiesel, que possui empreendimentos nos segmentos da Saúde, Clinica de Auto-gestão, Educação Corporativa (treinamentos e palestras), Agronegócio.
Debatedora do Programa: Jogo de Cintura na Rádio Antena 1FM.
Participou por dois anos do programa de TV Conexão Saúde no canal 20 da Net, sempre abordando temas voltados ao desenvolvimento pessoal.
Articulista de diversos sites, revistas e jornais no Brasil.
Co-Autora do livro Você em Primeiro Lugar e do CD um Tempo para Vida.
Autora do livro Cure-se Antes que Você Adoeça – Editora Imprensa Livre.
Sua sólida formação no desenvolvimento humano embasa seu trabalho.
Realiza Palestras e Treinamentos com o foco voltado para liderança, competências emocionais, relacionamentos produtivos, gestão de pessoas, desenvolvimento de talentos, e educação.

Clique aqui para acessar todos os textos da colunista
E-mail
Fanpage


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here